Olha só eu “REPARANDO”

Reparando

Não tenho muita certeza se é a natureza humana ou eu é sou chato mesmo, moro aqui em Toledo a vida toda, a cidade é bacana, mas toda vez que ando na rua eu insisto em ficar reparando coisas errada, será que sou só eu? sei lá, mas vejam só vocês como uma simples caminhada pode me estressar.

Estava eu a caminho do trabalho e comecei observar a movimentação do pessoal fazendo a mesma coisa que eu porém motorizado, e percebi que o pessoal gosta muito de natal, sim natal, pois parece ser a única ocasião em que usam o pisca, meus amigos, o dom da clarividência não é para todos, vamos sinalizar as intenções com antecedência lembram? Mas tudo bem, motorista ruim tem em todo lugar, voltei as atenções para os pedestres e notei que a cada 5 rapazes 5 usam boné ou camisa do UFC, também gosto das lutas mas esse modismo já está demais, ao ponto de comprarem roupas falsificadas simplesmente pra mostrar que estão na onda do UFC  também.

Mas moda é moda, fazer o que?, as pessoas são assim mesmo, melhor pensar em outra coisa e distrair a cabeça, mas é aí que o bicho pega, literalmente, tive que mudar o meu rumo por causa de um motivo, briga entre duas gangues, isso mesmo, uma luta por território entre duas gangues que deviam ter 5 ou 6 integrantes em cada uma das facções caninas, sim caninas, mais ou menos uma dúzia de cachorros se engalfinhando no meio da rua, não era uma rua principal mas ainda assim perigoso para o transito e para os pedestres.

Ok estou quase chegando no trabalho só mais algumas quadras e estarei a salvo, agora só me falta testar a gentileza dos motoristas e esperar que eles me permitam atravessar a rua sem que meus sangue decore a lataria de algum carro, e para a minha surpresa, eles param, vejam só vocês: um dia que tinha tudo para começar mal e pessimista se dissipou com um ato simples de gentileza e boa educação dos motoristas, agradeci a gentileza do estranho com um meio sorriso e um aceno de cabeça, provavelmente nunca mais vou ver aquele senhor novamente, mas aquele ato de gentileza me inspirou, que bacana, até deu vontade de ser gentil também e deixar o meu mal humor de nascença de lado um pouco, afinal o mundo não é tão ruim e a vida é bela certo? Errado!, minha apifania não durou muito, acho que uns 52 segundos aproximadamente, pois acabei de atravessa a rua feliz com a gentileza do motorista e cantarolando a musica dos sete anões quando cruzei com uma senhora que cuidava de mim quando era criança e decidi fazer o dia dela mais feliz, enchi o peito, dei um franco sorriso e disse:

“Bom dia”

A resposta foi uma cara feia e uma fungada, só faltou me dizer: “e o que é que tem de bom?” Será que eu era uma criança tão ruim assim? Ok então. Meu mal humor habitual a essa hora já tinha se misturado com um pouco de indignação e uma duvida que vai me roer até o fim da vida. Será que eu era uma criança tão ruim assim?.

25/05/2012

Pablo Victor Arceles azarado pessimista e do contra por natureza lembrou que estripou sete gatos da velha quando criança :).

Anúncios